ÚLTIMA HORA

quarta-feira, 1 de junho de 2016

Pela primeira vez, casos confirmados de microcefalia param de crescer na Paraíba

Pela primeira vez os dados sobre a microcefalia na Paraíba não registraram crescimento no número de casos confirmados da doença. Os números, divulgados nesta quarta-feira (1º) pelo Ministério da Saúde, mostram que o estado manteve os mesmos 129 confirmados que tinha no dia 24 de maio. O número de casos descartados da doença aumentou, saindo de 439 para 442; já os casos em investigação caíram de 313 para 311.

Os dados mostraram um pequeno aumento no número de casos notificados na Paraíba entre 2015 e 2016, saindo dos 881 para os atuais 882.

O novo boletim do ministério confirma 1.489 casos de microcefalia e outras alterações do sistema nervoso, sugestivos de infecção congênita em todo o país. O informe reúne informações encaminhadas semanalmente pelas secretarias estaduais de saúde.

No total, foram notificados 7.723 casos suspeitos desde o início das investigações, sendo que 3.162 permanecem em investigação. Outros 3.072 foram descartados por apresentarem exames normais ou por apresentarem microcefalia e/ou malformações confirmadas por causas não infecciosas ou não se enquadrarem na definição de caso.

Os 1.489 casos confirmados em todo o Brasil ocorreram em 539 municípios, localizados em 25 unidades da federação. Desses casos, 223 tiveram confirmação por critério laboratorial específico para o vírus Zika. O Ministério da Saúde, no entanto, ressalta que esse dado não representa, adequadamente, a totalidade do número de casos relacionados ao vírus. A pasta considera que houve infecção pelo Zika na maior parte das mães que tiveram bebês com diagnóstico final de microcefalia.

Em relação aos óbitos, no mesmo período, foram registrados 294 óbitos suspeitos de microcefalia e/ou alteração do sistema nervoso central após o parto ou durante a gestação (abortamento ou natimorto) no país. Destes, 63 foram confirmados para microcefalia e/ou alteração do sistema nervoso central. Outros 192 continuam em investigação e 39 foram descartados.

O Ministério da Saúde está investigando todos os casos de microcefalia e outras alterações do sistema nervoso central, informados pelos estados, e a possível relação com o vírus Zika e outras infecções congênitas. A microcefalia pode ter como causa diversos agentes infecciosos além do zika, como sífilis, toxoplasmose, rubéola, citomegalovírus e herpes viral.

A pasta orienta as gestantes a adotarem medidas que possam reduzir a presença do mosquito Aedes aegypti, com a eliminação de criadouros, e proteger-se da exposição de mosquitos, como manter portas e janelas fechadas ou teladas, usar calça e camisa de manga comprida e utilizar repelentes permitidos para gestantes. 

Postar um comentário

Não serão aceitos comentários de cunho pejorativo, obsceno, racista e ofensivo. Comentários abusivos, odiosos ou difamadores de qualquer pessoa ou instituição serão igualmente desconsiderados.

 
Copyright © 2013 - 2018 Cariri da Gente
E-mail de contato: cariridagente@bol.com.br