ÚLTIMA HORA

terça-feira, 6 de fevereiro de 2018

PB ainda investiga três casos suspeitos de febre amarela

Dos cinco casos suspeitos de febre amarela investigados pela Secretaria de Saúde do Estado, dois já foram descartados. Outros três ainda estão sob análise, mas de pessoas que vieram de estados endêmicos. A Paraíba não está na área afetada pela doença.
Segundo a Saúde, as pessoas com suspeita da doença vieram de São Paulo, Goiás, Minas Gerais e Rio de Janeiro.  Dos casos investigados, quatro foram em João Pessoa e um em Alagoa Grande.
A SES lembra que o exame para diagnóstico de febre amarela só poderá ser realizado naqueles pacientes cujos sintomas se enquadrem na definição de caso suspeito do Ministério da Saúde. A amostra deverá ser enviada ao Laboratório Central da Paraíba (Lacen-PB) acompanhada de cópia da ficha de investigação e devidamente registrada no sistema Gerenciador de Ambiente Laboratorial (GAL).
A Paraíba é considerada área livre para febre amarela, sem circulação viral. Porém, se faz necessário que os serviços de saúde públicos e privados estejam atentos a possíveis casos suspeitos, conforme portaria nº 204/2016 e definição do Ministério da Saúde: “Indivíduo com quadro febril agudo (até 7 dias), de início súbito, acompanhado de icterícia e/ou manifestações hemorrágicas, residente ou precedente de área de risco para febre amarela ou de locais com ocorrência de epizootias em primatas não humanos ou isolamento de vírus vetores nos últimos 15 dias, não vacinado contra febre amarela ou com estado vacinal ignorado”. A notificação deve ser comunicada à Secretaria Municipal de Saúde e Secretaria de Estado da Saúde em até 24 horas.
A febre amarela é uma doença febril aguda, não contagiosa, de curta duração (no máximo 12 dias), cuja letalidade varia de 5 a 10% nos casos poucos sintomáticos, podendo chegar a 50% nos casos graves (aqueles que evoluem com icterícia e hemorragias).
O ciclo silvestre de transmissão do vírus da Febre Amarela envolve primatas não humanos (PNH) e mosquitos dos gêneros Haemagogus e Sabethes. O homem, quando não imunizado, pode se infectar ao entrar em áreas de mata em ambientes rurais e silvestres onde o vírus ocorre naturalmente. O ciclo de transmissão urbano (por Aedes aegypti) não é registrado no país desde 1942.
Serviços de referência para administração da vacina contra febre amarela por Gerências Regionais de Saúde:
 GRS Município Serviço Endereço


João PessoaCentro Municipal de Imunizações (Antigo Lactário da Torre)Av Ruy Barbosa-Torre
BayeuxPSF SESI IAV Liberdade – Bairro SESI, próximo a Igreja católica.
CabedeloPoliclínicaRua: São Sebastião, S/N – Camalau.
GuarabiraPSF BuritiRua José Epaminondas-Bairro Novo
Campina GrandeHospital Dr. EdgleyRua: Fernandes Vieira, 659 – Bairro José Pinheiro.
CuitéPSF EzequiasRua: Projeta S/N – Bairro Novo Retiro.
PicuíPSF CentroRua: São Sebastião, S/N –Bairro Centro.
MonteiroPSF CentroRua: Pedro Ferreira de Lima, 115.
SuméPSF IV Maria do Carmo RamosRua: Francisco de Melo.
PatosSede da Gerência Regional de SaúdeRua: Horácio Nóbrega, S/N.
PiancóPSF Fernando VieiraRua: João Pereira da Fonseca,
Catolé do RochaPSF CentroRua: Marcilon Cavalcante/N Bairro Noel Veras.
São BentoPSF José Maia da CruzRua: Ruy Carneiro, 428-Bairro Centro.
CajazeirasPSF Simão de OliveiraRua: Coronel Juvêncio Carneiro-Bairro Centro
10ªSousaSede da Gerência Regional de SaúdeRua: Projetada S/N-Bairro Bela Vista
11ªPrincesa IsabelPSF Centro IRua: Abraão Barros Diniz, S/N.
12ªItabaianaPoliclínica Dr. Aglair da Silva.Av: Vereador Luís Marins de Carvalho, S/N.

Postar um comentário

Não serão aceitos comentários de cunho pejorativo, obsceno, racista e ofensivo. Comentários abusivos, odiosos ou difamadores de qualquer pessoa ou instituição serão igualmente desconsiderados.

 
Copyright © 2013 - 2018 Cariri da Gente
E-mail de contato: cariridagente@bol.com.br