ÚLTIMA HORA

quarta-feira, 16 de maio de 2018

Alice Wegmann foi internada duas vezes durante gravações no Cariri

Alice Wegmann não tem dúvidas que Maria, sua personagem na série da Globo “Onde Nascem os Fortes” é um divisor de águas em sua carreira. A entrega foi tão grande à personagem que a atriz foi hospitalizada duas vezes durante as gravações da série no Cariri da Paraíba.

“É minha oitava novela já. Tudo foi acontecendo do jeitinho que tinha que ser, mas a Maria foi uma personagem que realmente exigiu muito de mim. Fui internada duas vezes quando estava no sertão. Peguei dengue e uma outra vez tive uma estafa e um dos meus melhores amigos quando assistiu a série falou: ‘Essas doenças foram pouco para você. Porque é tão intenso…imaginar que são 53 capítulos nesta intensidade’…”, conta a atriz ao UOL, nos bastidores de gravação da série, nesta terça-feira (15), nos Estúdios Globo.


“Em nenhum momento a Maria relaxa. É tudo muito o tempo todo. Pra gente gravar esses 53 capítulos foram sete meses de ‘pega pra capar'”.

Apesar dos sustos, Alice explica que usa a arte para canalizar suas emoções. “É justamente esse lugar da Maria que eu extravaso”.

O esforço para que tudo saísse perfeito fizeram com que ela dispensasse dublê em quase todas as cenas e, mesmo com o pé ferido, gravasse uma sequência de Maria correndo no sertão.

“A única cena que teve dublê foi a primeira que é só uma Gopro da bicicleta. O resto foi tudo eu que fiz. Teve uma cena em que eu estava correndo com o Gabriel [Leone] e entrou um espinho enorme no meu pé. Aí eu continuei meio mancando, subi na moto, aí depois fui tirar, olhei para o meu pé e vi o tamanho do espinho”, lembra.

Foram tantos perrengues nos bastidores que Alice se esforça para recordar de todos.

“Teve a cena do estupro, fiquei super marcada ali na hora e foi no dia do meu aniversário, tinha muita poeira, eu estava chorando muito e não conseguia enxergar o caminhão que estava na minha frente e quase fui atropelada. Tiveram várias coisinhas que a gente passou, mas sempre tudo valeu muito a pena”.

O trabalho em equipe de elenco e direção foram fundamentais para que a atriz construísse a personagem com vigor em cena.

“A gente tentou trazer verdade para tudo. O fato de a gente ter ficado cinco meses no sertão, tudo isso é muito importante para construir a Maria. A Maria é o que é por conta de tudo o que a Alice viveu esse tempo também. Eles têm uma coisa de criar uma atmosfera entre o elenco e a equipe que é muito fundamental. O Zé [José Luiz Villamarim, diretor] sabe como acessar as pessoas, tem um lugar ali que é inevitável falar sobre. A Maria não é só minha, é de todos. Convivendo junto e sentindo tudo isso junto não é uma pessoa só”, afirmou.

Alice admira a força de sua personagem em busca do paradeiro do irmão Nonato (Marco Pigossi) e conta que tem recebido um feedback de muitas mulheres pelas atitudes em cena.

“A Maria carrega a força feminina dentro dela, que não diz respeito só a ela mas a todas as mulheres que a gente vê aqui no Brasil. Tenho recebido muitas mensagens de mulheres dizendo: ‘obrigada por representar a gente, por trazer a nossa força dentro dessa personagem. Isso é muito importante para mim. Sei as dores e as delícias”.

A sensualidade da jovem em cena é vista por Alice com naturalidade. “Acho que todo mundo tem esse lado. É saber explorar nas horas certas”.

Apesar dos elogios por sua atuação na supersérie, a jovem atriz, de 22 anos, tem consciência que ainda tem um longo caminho a trilhar na carreira e diz admirar a dedicação de Patrícia Pillar, Debora Bloch e Alexandre Nero. “Observo o todo. Vejo o quanto ainda tenho para aprender. Não me sinto 100% pronta. Então é muito bonito ver pessoas experientes ainda estudando o texto, marcando. A Patrícia tem essa relação com o texto de iluminar, marcar. Quando você cai na ilusão de que é o melhor, você acaba perdendo esse brilho nos olhos. O brilho nos olhos é justamente o fato de você saber que ainda tem que aprender. É uma cilada acreditar”, diz.

“É uma personagem que é muito grande, em todas as camadas. A Maria está me colocando num lugar diferenciado. Mas ainda assim quero me surpreender muito no futuro”, completa.

Postar um comentário

Não serão aceitos comentários de cunho pejorativo, obsceno, racista e ofensivo. Comentários abusivos, odiosos ou difamadores de qualquer pessoa ou instituição serão igualmente desconsiderados.

 
Copyright © 2013 - 2018 Cariri da Gente
E-mail de contato: cariridagente@bol.com.br